Acompanhe o IESS nas redes sociais:
Opiniões
Impactos da crise na saúde
01/09/2010

Entramos no quarto trimestre da crise que eclodiu com a quebra do Lemahn Brothers. Três trimestres decorridos é tempo suficiente para avaliar seus impactos na saúde.

Estimulados pela valorização dos imóveis os bancos americanos não regulamentados concederam crédito excessivo, inclusive a tomadores sem credibilidade. A exuberância financeira terminou quando o  preço dos imóveis começou a cair e os mutuários ficaram inadimplentes o que arrastou bancos à falência. O crédito cessou abruptamente paralisando o comércio e a atividade econômica nos Estados Unidos e no mundo.

A escassez de crédito e a queda do comércio fizeram a crise atravessar o Atlântico, com força maior do que uma marolinha. A crise afetou a atividade econômica, o investimento, os fluxos capitais, as exportações, o emprego, os salários, a arrecadação tributária, a política econômica, enfim, a vida das pessoas.

A atividade econômica sofreu uma freada brusca. A economia mudou de patamar, embora venha dando sinais de alguma recuperação nos últimos meses.

O número de beneficiários de planos de saúde que crescia a 1,6% ao trimestre passou a crescer mais modestamente no último de 2008 e 0,3% no primeiro de 2009, o que também afeta o ritmo de crescimento das receitas das operadoras.

Crise é ameaça concreta de encolhimento de negócios, de perdas financeiras, de redução de horas trabalhadas, empregos e remuneração. Mas é também momento de oportunidades.

A crise traz ameaças para a saúde das pessoas - maior ansiedade e stress que reduzem a capacidade imunológica do organismo, reanimam doenças latentes e aumentam as chances de depressão, problemas mentais e cardíacos. Definitivamente, crise não é amiga da saúde.

Estudos empíricos que comprovem esses efeitos são escassos. Mas o British Medical Journal (maio/2009) reporta casos ilustrativos: aumento de suicídios na Coréia na crise do final dos anos 1990; aumento da mortalidade na Rússia, após o colapso da União Soviética e na crise de 1998; mortalidade de desempregados 20 a 25% acima do que a de ocupados com mesma posição sócio-econômica na década de 70 na Inglaterra. As perdas de remuneração deterioram o padrão da alimentação e impedem o acesso aos serviços de diagnóstico e terapia, às medicações prescritas, ao aconselhamento e às dietas saudáveis.

As crises trazem consigo aspectos conflitantes. Aumenta a necessidade por serviços de diagnóstico e terapia, mas contraem-se as remunerações, o que dilui ou anula a maior procura. Os maiores riscos aumentam as aspirações por possuir plano de saúde, mas escasseiam as condições econômicas para viabilizá-las. O crescimento das receitas das operadoras perde ímpeto enquanto as despesas que elas financiam tendem a aumentar.

Que resultado de pode se pode esperar desse jogo de contrários que se instala nas crises? Poderão as pessoas acomodar maiores despesas com saúde – diretas ou com manutenção de planos - reduzindo outras despesas?

As informações consolidadas demoram a ficar disponíveis. No entanto, operadoras comentam o expressivo aumento de despesas assistenciais, o que é compatível com o relato de aumento da procura por serviços hospitalares, especialmente nos grandes centros urbanos. No interior, prestadores relatam o oposto – a contração das rendas reduziu a demanda sobre de serviços assistenciais. É que a maior concentração de beneficiários está nas grandes aglomerações urbanas.

Nessas áreas, o plano de saúde garante assistência aos beneficiários mesmo quando perdem o emprego e ficam mais vulneráveis a doenças. Isso porque o desempregado pode manter o plano por pelo menos seis meses. Perdido o emprego ou diante da ameaça de perdê-lo, o beneficiário tende a utilizar o plano para exames de rotina ou antecipação de procedimentos seletivos. Esse ponto ilustra a importância que as operadoras têm para garantir a assistência médica de seus beneficiários.

O uso "preventivo" do plano é uma atitude individual racional. Porém, adotada de forma generalizada, aumenta as despesas das operadoras que se vêem forçadas a demandar reajustes das mensalidades. As empresas contratantes, pressionadas pela redução das rendas, resistem mais fortemente a essas solicitações.

Instala-se um cabo de guerra para acomodar receitas menores com despesas aumentadas. Entender os problemas de cada elo da cadeia é passo essencial nas negociações para que se preserve o equilíbrio econômico-financeiro de todos. O funcionamento eficiente da assistência médica depende da manutenção desse equilíbrio. Como bem observou Michael Porter, o deslocamento de custos entre os elos da cadeia não resolve problema algum, pois é jogo de soma zero.  O que ele propõe centra a competição na criação de valor para a pessoa, o que requer equilíbrio e mais cooperação entre os elos. Desequilíbrio em algum elo acarretará ineficiências e quem sofrerá as com conseqüências será o indivíduo.

 

Autor: José Cechin - Superintendente-executivo do Instituto de Estudos de Saúde Suplementar (IESS) e ex-Ministro de Estado da Previdência e Assistência Social.

VEJA TAMBÉM
[Ver Todos]

CALENDÁRIO

dezembro / 2017
  • 07 Seminário Qualidade e Eficiência na Saúde
outubro / 2017
  • 26 Seminário IESS/HIS
maio / 2017
  • 31 Seminário: Incorporação de Tecnologias na Saúde Suplementar
março / 2017
  • 07 PIB
fevereiro / 2017
  • 23 Variáveis de ocupação - PNAD contínua
janeiro / 2017
  • 11 Inflação (IPCA)
  • 01 Taxa de juros - Selic
  • 01 Taxa de câmbio
dezembro / 2016
  • 09 Inflação (IPCA)
  • 01 Taxa de juros - Selic
  • 01 Taxa de câmbio
  • 23 Índice de Confiança do Consumidor
  • 06 Celebração de 10 anos de IESS
novembro / 2016
  • 09 Inflação (IPCA)
  • 30 PIB
  • 01 Taxa de juros - Selic
  • 01 Taxa de câmbio
  • 22 Variáveis de ocupação - PNAD contínua
  • 24 Índice de Confiança do Consumidor
outubro / 2016
  • 07 Inflação (IPCA)
  • 01 Taxa de juros - Selic
  • 01 Taxa de câmbio
  • 26 Índice de Confiança do Consumidor
  • 26 Seminário Internacional "Indicadores de qualidade e segurança do paciente na prestação de serviços na saúde"
setembro / 2016
  • 09 Inflação (IPCA)
  • 01 Taxa de juros - Selic
  • 01 Taxa de câmbio
  • 27 Índice de Confiança do Consumidor
  • 27 Seminário "Tecnologia na saúde Suplementar" no Hospital Innovation Show
agosto / 2016
  • 10 Inflação (IPCA)
  • 31 PIB
  • 01 Taxa de juros - Selic
  • 01 Taxa de câmbio
  • 17 Variáveis de ocupação - PNAD contínua
  • 24 Índice de Confiança do Consumidor
  • 31 Seminário Internacional "Novos produtos para saúde suplementar"
julho / 2016
  • 08 Inflação (IPCA)
  • 01 Taxa de juros - Selic
  • 01 Taxa de câmbio
  • 25 Índice de Confiança do Consumidor
junho / 2016
  • 08 Inflação (IPCA)
  • 01 PIB
  • 01 Taxa de juros - Selic
  • 01 Taxa de câmbio
  • 27 Índice de Confiança do Consumidor
maio / 2016
  • 06 Inflação (IPCA)
  • 01 Taxa de juros - Selic
  • 01 Taxa de câmbio
  • 19 Variáveis de ocupação - PNAD contínua
  • 24 Índice de Confiança do Consumidor
  • 06 A cadeia de saúde suplementar: avaliação de falhas de mercado e propostas de políticas
abril / 2016
  • 08 Inflação (IPCA)
  • 26 Índice de Confiança do Consumidor
  • 01 Taxa de juros - Selic
  • 01 Taxa de câmbio
  • 26 Índice de Confiança do Consumidor
março / 2016
  • 29 Índice de Confiança do Consumidor
  • 23 Rendimento Médio Real - PME
  • 27 Índice de Confiança do Consumidor
fevereiro / 2016
  • 22 Índice de Confiança do Consumidor
janeiro / 2016
  • 25 Índice de Confiança do Consumidor
novembro / 2015
  • 12 Cerimônia de premiação do V Prêmio IESS de Produção Científica em Saúde Suplementar
outubro / 2015
  • 20 Seminário Internacional "OPMEs: Análise setorial e adoção de boas práticas"
setembro / 2015
  • 03 Seminário "Efeitos da regulação sobre a saúde suplementar"
maio / 2015
  • 28 Seminário Internacional "Evolução dos custos na Saúde Suplementar"
novembro / 2014
  • 27 Seminário Internacional "A Sustentabilidade da Saúde Suplementar"
outubro / 2014
  • 29 Cerimônia de entrega do IV Prêmio IESS de Produção Científica
novembro / 2013
  • 07 III Prêmio IESS de Produção Científica em Saúde Suplementar
outubro / 2013
  • 15 III Seminário "Promoção de Saúde nas Empresas"
novembro / 2012
  • 27 Seminário Internacional “Projeções do custo do envelhecimento no Brasil”
outubro / 2012
  • 03 II Prêmio IESS de Produção Científica em Saúde Suplementar
  • 17 5° Aniversário do Instituto de Estudos de Saúde Suplementar - IESS
outubro / 2011
  • 17 Prêmio IESS de Produção Científica em Saúde Suplementar

A saúde suplementar traduzida em dados de forma simples e prática

Infográficos didáticos explicam como funciona a saúde suplementar no país

VÍDEOS

Stephen Stefani: Terapia de precisão na era da imuno-oncologia

Debate: Uso do Big Data para promover cuidados integrados na saúde

Debate: Desospitalização e cuidados integrados do paciente para uma assistência qualificada e sustentável

PODCASTS

DOCUMENTOS

Análise da assistência à saúde da mulher na saúde suplementar brasileira entre 2011 e 2016

A realização de exames de mamografia está crescendo entre as...

Private insurance in the brazilian universal care system

Apresentação feita por Luiz Augusto Carneiro, superintendente executivo do IESS,...

RECSP 05

O número de trabalhadores na cadeia de valor da saúde suplementar (que engloba os...
RECEBA NOTÍCIAS
Cadastre-se e receba, periodicamente, os estudos e números mais atualizados sobre saúde suplementar
Enviar