Sorry, you need to enable JavaScript to visit this website.

Governança e uso de dados

Agosto 2020
Salvar aos favoritos Compartilhar

A adoção de novas tecnologias é fundamental para os sistemas de saúde – claro que avaliados os seus riscos, impactos para o segmento e para o avanço da qualidade da assistência. O uso do Prontuário Eletrônico (PEP), por exemplo, é essencial para a segurança do paciente e para um diagnóstico preciso. Tendo em mente, sempre que é necessário treinar os profissionais que fazem uso dessas informações e aspectos como a ética e confidencialidade na coleta e uso de dados.

A mudança para ambientes e práticas mais digitais demanda, além da adesão de tecnologias, mudança de mentalidade. É preciso investir em ações de conscientização, alteração de processos e rotina de trabalho. Com isso, é importante treinamentos para toda as equipes e definições claras sobre a governança dos dados.

E é exatamente o que vamos debater em nosso próximo webinar “Governança e uso de dados para uma gestão integrada de saúde”.

  • Quais são as barreiras ainda a serem superadas para se promover uma melhor gestão de saúde (culturais, econômicas, regulatórias etc.)?
  • Considerando o atual momento de pandemia, como está a evolução do uso de saúde digital (expansão da Telessaúde, por exemplo) e como essa Transformação Digital pode ser acelerada e explorada para integrar stakeholders e engajar ainda mais o paciente?
  • Há um “oceano” de dados hoje capturado pelo sistema de saúde. Como são tratados e, principalmente, como geram valor, em termos de planejamento de estruturas e equipes, gestão de saúde populacional e responsabilização do indivíduo na administração da própria saúde?
  • Quais são os impactos e desafios trazidos pela aplicação da LGPD na saúde?

Esses e outros aspectos serão contemplados no dia 13 de agosto, a partir das 16h com transmissão ao vivo aqui no portal IESS, em nossas redes sociais e no canal do YouTube. Com mediação José Cechin, superintendente executivo do IESS, contará com a participação de Henrique Neves, diretor geral do Hospital Israelita Albert Einstein e coordenador do grupo de gestão de dados do Instituto Coalizão Saúde (ICOS); da Dra. Beatriz Leão, coordenadora do Programa de Informática em Saúde do Hospital Sírio-Libanês; e Renato Sabbatini, professor adjunto de Informática em Saúde na Escola Bahiana de Medicina e Diretor de Educação do Instituto HL7.

Veja aqui como participar.

Você também já pode se inscrever em nosso canal do YouTube e ativar as notificações para ser lembrado - https://www.youtube.com/IESSBR

Conheça os pôsteres exibidos no IX Prêmio IESS

Fevereiro 2020
Salvar aos favoritos Compartilhar

A criação, em 2018, de um espaço para exibição de pôsteres de trabalhos (acadêmicos ou não) relacionados à saúde suplementar durante a cerimônia de entrega do Prêmio IESS é algo que muito nos orgulha.

A iniciativa cumpre a importante função de incentivar a criação de estudos e o interesse de pesquisadores pelo setor de saúde suplementar desde o começo da vida acadêmica, além de ser um espaço para empresas e outras instituições apresentarem o que têm desenvolvido nessa área. Claro, o grande diferencial deste projeto é possibilitar um canal de contato e troca de experiências entre estes públicos de interesses tão semelhantes, mas experiências tão distintas. O que só tende a enriquecer o diálogo.

Também por acreditar na importância dessas interações e da troca de conhecimentos que criamos uma página especifica para “hospedar” os Anais do Prêmio IESS. A partir de hoje, você pode consultar de forma ainda mais prática e rápida os pôsteres exibidos a cada ano.

Os pôsteres da edição 2018, que você já conhece, estão lá. E, agora, os de 2019 também. São 15 novos trabalhos para você conferir.

Tá esperando o quê? Leia já.

Uma visão integrada dos desafios da transformação digital na saúde

Janeiro 2020
Salvar aos favoritos Compartilhar

A telemedicina está sendo utilizada de forma pontual ou abrangente? Com objetivos apenas comerciais ou foco na qualidade assistencial? O Brasil está preparado para a nova era de segurança da informação? Os gestores, pesquisadores e demais profissionais do setor de saúde entendem o valor e os riscos relacionados à posse de dados de seus clientes?

As perguntas acerca da transformação digital são várias e o setor apresenta diferentes níveis de entendimento dos desafios que se desdobram a partir deste ano, com o processo de ajuste para atuar em conformidade com a nova Lei Geral de Proteção de Dados (LGPD) e as novas tecnologias que aparecem em ritmo crescente e com capacidade cada vez maior de transformar processos e relacionamentos entre os diversos elos dessa cadeia produtiva.

Pensando nesse contexto, durante o seminário “Transformação Digital na Saúde”, reunimos especialistas com diferentes interesses e experiências para um importante debate na busca de “Uma visão integrada dos desafios da transformação digital na saúde”.

Confira o resultado no vídeo abaixo e não perca, na próxima semana, nossas considerações a partir desta iniciativa.

 

Judicialização indiscriminada compromete saúde brasileira

Abril 2019
Salvar aos favoritos Compartilhar

Falar em regulação é, quase sempre, algo complicado. Principalmente porque é difícil achar um equilíbrio para que o setor em questão, seja ele qual for, se torne atrativo tanto do ponto de vista dos demandantes quanto dos investidores. Muitas vezes, o melhor é deixar o mercado balizar essa relação. Contudo, há outras em que o desiquilíbrio entre as partes é evidente e a regulação por terceiros é necessária.

No setor de saúde, sem entrar no mérito de qual deveria ser o nível de regulação ou não, parece claro que há excessos. A redução na oferta e contratação de planos individuais é um sintoma evidente disso.

Ao nosso ver, uma alternativa para evitar que isso volte a acontecer em outras frentes do setor de saúde suplementar, que é extremante dinâmico, seria a autorregulação.

A Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS) determina um rol mínimo de procedimentos para serem atendidos pelas Operadoras de Planos de Saúde (OPS). Mas nada impede que elas aumentem esse rol ou mesmo elaborem ferramentas de autorregulação para a incorporação de novas tecnologias. Não há dispositivo legal que proíba, por exemplo, a criação de um Conitec da Saúde Suplementar. Nesse caso, ao invés de esperar a ANS decretar a incorporação de um medicamento, exame ou outro procedimento, o setor se anteciparia e estabeleceria critérios claros para sua adoção. Inclusive divulgando-os aos prestadores de serviço, beneficiários e sociedade de modo geral.

Mas há outros casos em que a autorregulação pode ser altamente efetiva e positiva para o setor. Um deles diz respeito às práticas determinadas pela Lei Geral de Proteção de Dados (LGPD). Ao invés de esperar a efetiva criação da Autoridade Nacional de Proteção de Dados (ANPD) para normatizar a questão, as OPS e os prestadores de serviço de saúde têm a chance de adotar, por conta própria, boas práticas que podem, inclusive, servir de exemplo para outros setores.

A questão foi bem explorada no artigo “LGPD: desafios e oportunidades para o setor da saúde”, de Juliana Pereira, integrante do Comitê das Nações Unidas para Proteção ao Consumidor e membro do Conselho de Autorregulação e Relações com Cliente da Federação Brasileira de Bancos (FEBRABAN). Vale a leitura.

Ah, se você se interessa por esse tema, não deixe de participar do seminário “Transformação Digital na Saúde”, que realizaremos dia 11 de dezembro, no hotel Tivoli Mofarrej (Al. Santos, 1.437), em São Paulo. Inscreva-se agora!