Sorry, you need to enable JavaScript to visit this website.

Pesquisa indica mudança no padrão alimentar dos beneficiários

Setembro 2021
Salvar aos favoritos Compartilhar

Os avanços médicos e científicos trazem cada vez mais evidências sobre a importância de manter uma alimentação saudável. Além dos benefícios à qualidade de vida, esse hábito pode reduzir os riscos de desenvolvimento de uma série de doenças. No Brasil, entre os beneficiários de planos de saúde, há indícios de um movimento de mudança no padrão alimentar, com aumento no consumo regular de frutas e a redução de carne vermelha e doces. É o que aponta o “Texto para Discussão 82 - Hábitos alimentares e estilo de vida em beneficiários de planos de saúde médico-hospitalares”, estudo do IESS produzido a partir da Pesquisa Nacional de Saúde (PNS) de 2019 no comparativo com dados de 2013.

Segundo o levantamento, o consumo de frutas por cinco dias ou mais na semana subiu de 55% para 60% no período. Nessa categoria de beneficiários, as maiores taxas foram registradas em mulheres e entre a faixa da população com 60 anos ou mais. Por outro lado, em 2019, o consumo de carne vermelha foi maior entre os homens e de beneficiários até 59 anos. Apesar disso, entre 2013 e 2019, a ingestão regular do produto caiu de 35,2% para 28,8%.

Vale destacar que a categoria analisada que apresentou maior redução foi de alimentos doces, que passou de 25,5% para 16,8% no período. Os resultados de 2019 demonstram maior prevalência desses produtos entre as mulheres e, principalmente, beneficiários mais jovens, entre 18 e 20 anos. Além disso, a ingestão regular de bebidas alcoólicas entre os beneficiários apresentou leve redução, caindo de 8,8% para 8,5% entre 2013 e 2019. Nesse recorte, a prevalência é maior entre homens e de pessoas com 60 anos ou mais.

Esse panorama é um importante indicador sobre o bem-estar da população, especialmente porque a Organização Mundial da Saúde (OMS) destaca que uma dieta inadequada somada à falta de atividade física são dois dos principais fatores de risco globais para a saúde. Além disso, acompanhar os hábitos alimentares de beneficiários ou não de planos médico-hospitalares é uma das maneiras mais eficientes para o desenvolvimento de políticas e ações de prevenção e combate às doenças.

Acesse a íntegra do TD - 82.

Texto para Discussão

TD 91 – Mudanças na qualidade do sono e uso de medicamentos para dormir em beneficiários de planos de saúde médico-hospitalares

Dezembro 2022

Este texto apresenta as mudanças na qualidade do sono e uso de medicamentos para dormir em beneficiários de planos de saúde médico-hospitalares, comparando as diferenças entre os anos de 2013 e 2019 da Pesquisa Nacional de Saúde, bem como os fatores associados. Veja a íntegra do estudo.

Novo texto para discussão expõe os prós e contras do rastreamento de câncer

Novembro 2022
Salvar aos favoritos Compartilhar

A realização de exames para detectar doenças entre pessoas assintomáticas, o screening (rastreamento), encontra na literatura posicionamentos diferentes acerca de seus benefícios. A prática pode ajudar a detectar um maior número de casos, mas isso não reflete, necessariamente, na redução nas taxas de mortalidade. 

A recomendação do screening varia de caso a caso e a decisão de realiza-lo deve ser tomada pelo indivíduo, com base na orientação médica dos benefícios e possíveis malefícios. De acordo com estudos realizados no Canadá e nos Estados Unidos, apenas três tipos de neoplasias em que o rastreamento foi eficaz. Foram eles: colo de útero (Papanicolau), mama (mamografia) e colorretal (pesquisa de sangue oculto nas fezes e retossigmoidoscopia). 

Diante disso, o IESS expõe, em novo texto para discussão, os prós e contras da realização desses exames para rastrear dois tipos de cânceres: o de mama e o de próstata. O estudo aponta que alguns exames podem causar efeitos colaterais adversos, entre eles efeitos psicológicos, como ansiedade e sofrimento. Já que muitas vezes, não é possível evitar a morte. Além disso, a realização frequente de alguns exames com radiação pode desencadear outras doenças e alterações no DNA. 

O Texto para Discussão (TD) 90: SCREENING – Prós e Contras do Rastreamento de Doenças está disponível para download aqui.
 

Texto para Discussão

TD 90 - Screening | Prós e contras do rastreamento de doenças

Novembro 2022

Este texto para discussão apresenta os prós e contras da realização de exames de rastreamento de doenças (screening) para câncer de mama e próstata entre pessoas assintomáticas. Veja a íntegra do estudo.

Texto para Discussão

TD 89 – ESG em planos de saúde médicos e odontológicos – Construindo propósito, ações conjuntas e mutualmente benéficas

Outubro 2022

Este texto para discussão tem o objetivo de explicar o que é ESG e como seus eixos são aplicados em planos de saúde de assistência médica e odontológica. Veja a íntegra do estudo.

Texto para Discussão

TD 88 - Interoperabilidade em sistemas de saúde - O que o Brasil pode aprender das experiências internacionais?

Outubro 2022

O objetivo deste texto é apresentar a importância da interoperabilidade para os sistemas de saúde, como ela tem sido implementada em alguns países e em qual estágio está o sistema de saúde brasileiro, considerando saúde pública e saúde suplementar. Veja a íntegra do estudo.

Texto para Discussão

TD 87 – Qual o impacto das hospitalizações potencialmente preveníveis na Saúde Suplementar? Um recorte para CIDs selecionados

Junho 2022

O objetivo do estudo é descrever as características associadas a internações potencialmente preveníveis com quatro CIDs selecionados de doenças crônicas relacionadas a fatores de risco de estilo de vida na saúde suplementar. Os fatores de risco modificáveis considerados foram hábitos alimentares, sedentarismo, tabagismo e abuso de álcool. Veja a íntegra do estudo.

Texto para Discussão

TD 86 - Assistência Odontológica segundo posse de plano de saúde: Análise da Pesquisa Nacional de Saúde, 2019

Fevereiro 2022

Dos 209,6 milhões de brasileiros em 2019, 26,7 milhões (13%) tinham um plano de saúde de assistência odontológica e 183,0 milhões (87%) não tinha acesso à odontologia suplementar (utilizavam esses serviços por meio do Sistema Único de Saúde - SUS - ou pagavam os serviços do próprio bolso). Veja a íntegra do estudo.

 

Autor: Bruno Minami

Superintendente executivo: José Cechin

Texto para Discussão

TD 85 - O Parto Adequado: evidências científicas e os seus desdobramentos no Brasil e no Mundo

Janeiro 2022

TD 85 - O Parto Adequado: evidências científicas e os seus desdobramentos no Brasil e no Mundo


Autora: Natalia Lara
Superintendente Executivo: José Cechin

Estudo especial do IESS aponta que o número de cesáreas nas operadoras de planos de saúde caiu de 84,5% em 2013 e para 82,7% em 2020 (-1,8%). Nesse período, a maior retração foi registrada entre as operadoras de grande porte (-2,7%). Entre as de pequeno e médio porte, as diminuições nesse tipo de procedimento foram de 2,1% e 0,6%, respectivamente. Acesse na íntegra o Texto de Discussão n° 85 “O Parto Adequado: evidências científicas e os seus desdobramentos no Brasil e no Mundo” e saiba mais.

Tabagismo reduz entre os beneficiários de planos de saúde

Outubro 2021
Salvar aos favoritos Compartilhar

Nas últimas décadas, o percentual de adultos fumantes no Brasil vem apresentando queda expressiva devido às inúmeras ações desenvolvidas, sobretudo pela Política Nacional de Controle do Tabagismo, do Instituto Nacional de Câncer (INCA). A tendência também se confirmou entre os beneficiários de planos de saúde: o consumo de cigarro teve queda de 8,8% para 7,5% entre 2013 e 2019. Os dados são do “Texto para Discussão 82 – Hábitos alimentares e estilo de vida em beneficiários de planos de saúde médico-hospitalares”, estudo do IESS produzido a partir da Pesquisa Nacional de Saúde (PNS) de 2019.

A prevalência é maior entre os homens (10,3%) e em beneficiários de 21 a 59 anos (8,9%). Entre aqueles que afirmam fumar diariamente, a taxa é maior para pessoas com 60 anos ou mais (7,8%). Apesar da diminuição registrada no intervalo analisado, ainda há espaço para a elaboração de mais estratégias de combate ao hábito, sobretudo devido aos riscos do desenvolvimento de doenças crônicas ligadas ao cigarro.

Um estudo realizado no Canadá  mostrou que, entre os homens, o tabagismo foi associado a casos de diabetes, insuficiência cardíaca e acidente vascular cerebral (AVC). Já entre as mulheres, houve correlação com quadros de doença pulmonar crônica, câncer de pulmão, infarto do miocárdio, além de diabetes e AVC.

Consumo de bebidas alcóolicas também caiu

A ingestão de bebidas alcóolicas diminuiu entre os beneficiários de planos de saúde, passando de 8,8% para 8,5% entre 2013 e 2019. O predomínio do consumo regular é entre homens (10,8%) e pessoas com 60 anos ou mais (18,7%). Entre os beneficiários de 18 a 20 anos, a ingestão regular de bebidas seja de apenas 0,9%, um dado chama atenção. Esse grupo afirma tomar 8,6 doses no dia que consomem bebidas alcóolicas. De acordo com o Centro de Controle de Doenças dos Estados Unidos, é considerado como excesso o consumo por ocasião de mais de 4 doses para mulheres e 5 para homens.

Acesse o TD 82 na íntegra – clique aqui.