Sorry, you need to enable JavaScript to visit this website.

Pandemia: despesas assistenciais de planos médicos atingem R$ 206 bilhões

Maio 2022
Salvar aos favoritos Compartilhar

A pandemia de Covid-19 trouxe transformações e consequências diretas e indiretas em diferentes segmentos de atuação no País. Na área da saúde, uma das mais afetadas, não foi diferente. Com isso, entre 2020 e 2021, houve crescimento no volume de despesas assistenciais de planos médico-hospitalares. Os valores saltaram de R$ 166 bilhões para
R$ 206 bilhões no período.

O aumento foi de 24,3%, índice superior à inflação medida pelo IPCA/IBGE que, de junho/20 a junho/21, fechou em 8,6%, e está diretamente relacionado com a retomada de procedimentos médicos pelos beneficiários de planos, a partir de 2021. Os dados são da Análise Especial da Nota de Acompanhamento de Beneficiários (NAB) nº 69, desenvolvida pelo Instituto de Estudos de Saúde Suplementar (IESS).

Em 2020, quando teve início a pandemia, houve grande queda na frequência de utilização em consultas, exames, terapias, internações e tratamentos, que resultaram em menores despesas assistenciais. Por outro lado, no ano seguinte, as pessoas retomaram, de forma acentuada, essas atividades e procedimentos, aumentando fortemente a frequência com que os beneficiários utilizaram os serviços de assistência à saúde, gerando maiores despesas.

O estudo também revela que houve aumento representativo do gasto médio anual por beneficiário. Ao dividir a despesa assistencial médico-hospitalar (em valores nominais) pelo número médio de beneficiários, constatou-se que no período de 2011 a 2021, o gasto médio quase triplicou, saltando de R$ 1.483 para R$ 4.262, respectivamente – alta de 187%. No período, a inflação (IPCA/IBGE) foi de 74,1%.

Para mais detalhes sobre a Análise Especial da NAB 69, clique aqui.

AE NAB

Despesas assistenciais de planos médico-hospitalares

Maio 2022

A Análise Especial da 69ª Nota de Acompanhamento de Beneficiários traz informações Despesas assistenciais de planos médico-hospitalares. Entre dezembro de 2020 e de 2021, o número de beneficiários vinculados a planos de saúde de assistência médico-hospitalar passou de 47 para 49 milhões, crescimento de 3%. Neste mesmo período, as despesas assistenciais passaram de R$ 166 para R$ 206 bilhões, aumento de 21% (resultado maior que a inflação no país, que fechou em 10% em 2021).

AE NAB

Meio milhão de beneficiários a mais no Estado de São Paulo

Abril 2022

A análise da 68ª Nota de Acompanhamento de Beneficiários expôs que a busca por planos de saúde tem variado de uma Unidade da Federação para outra. O Estado de São Paulo foi destaque pois liderou o crescimento de vínculos. O Estado é o maior em número de beneficiários e com a maior taxa de cobertura por planos de saúde médico-hospitalares (38%). Em fevereiro de 2022, 17,7 milhões de paulistas possuíam este benefício, sendo 72,3% desses beneficiários em planos coletivos empresariais.

AE NAB

43,8 milhões: recorde de beneficiários em planos com segmentação ambulatorial e hospitalar

Março 2022

A 67ª Nota de Acompanhamento de Beneficiários (NAB) mostrou que havia 48,9 milhões de pessoas vinculadas a planos de saúde de assistência médico-hospitalar no Brasil em janeiro de 2022. Em comparação com o mesmo mês do ano anterior, o número de beneficiários aumentou em 1,5 milhão de vínculos, acréscimo de 3,1%.

AE NAB

Recorde de beneficiários em planos coletivos empresariais: 33,7 milhões com assistência médico-hospitalar

Fevereiro 2022

Em dezembro de 2021, dos 49 milhões de beneficiários com planos de saúde de assistência médico-hospitalar, a maioria (33,7 milhões ou 69%) estavam em planos coletivos empresariais (aqueles oferecidos como benefício pelas empresas aos seus colaboradores). Os detalhes estão na Análise Especial da NAB 66. Baixe agora.

AE NAB

Contratações de planos de saúde segundo abrangência geográfica

Janeiro 2022

Entre janeiro e novembro de 2021, a média de brasileiros que contavam com planos de saúde de assistência médico-hospitalar era de 48,1 milhões de beneficiários. Desses, 44% contrataram o plano com abrangência de grupos de municípios (em mais de um e até 50% dos municípios do Estado) e 40%, com cobertura em todo o território nacional. Saiba mais na Análise Especial da NAB 65. Baixe agora.

AE NAB

Meio milhão de brasileiros a mais com planos odontológicos individuais e familiares, em especial, idosos

Dezembro 2021

Em outubro de 2021, o número de beneficiários de planos de saúde de assistência exclusivamente odontológica ultrapassou os 28,7 milhões de vínculos (recorde da série histórica que se inicia em 2000) - representando 13,4% da população brasileira. Saiba mais na Análise Especial da NAB 64. Baixe agora.

AE NAB

A cada dois novos empregos formais criados, cresce o número de beneficiários coletivos empresariais

Novembro 2021

O número de beneficiários em planos coletivos empresariais de assistência médico-hospitalar tende a acompanhar o número de trabalhadores formais. Em setembro de 2021, o número de vínculos nesses planos representava cerca de 80% do estoque de empregos formais. Veja os detalhes na análise completa da NAB.

AE NAB

Aumento de idosos em planos de saúde é motivado pela migração de idade

Outubro 2021

Entre agosto de 2020 e o mesmo mês de 2021 houve aumento de 168 mil idosos (60 anos ou mais de idade) beneficiários de planos de saúde de assistência médico-hospitalar. Isso foi resultado de um saldo negativo entre admissões e cancelamentos de 260.152 (789.006 admissões e 1.049.158 cancelamentos) e uma migração de 428 mil beneficiários que tinham 59 anos e passaram a ter 60 anos de idade.

 

AE NAB

O peso dos planos empresariais

Setembro 2021

Em julho de 2021, o número de beneficiários com planos de assistência médico-hospitalar chegou a 48,4 milhões de vínculos. Isso significa que a cada 4 brasileiros, cerca de 1 tinha um plano de saúde (taxa de cobertura em 23% em jul/21).