Sorry, you need to enable JavaScript to visit this website.

Impactos da crise na saúde

Impactos da crise na saúde

Agosto 2010
Salvar aos favoritos Compartilhar

Entramos no quarto trimestre da crise que eclodiu com a quebra do Lemahn Brothers. Três trimestres decorridos é tempo suficiente para avaliar seus impactos na saúde.

Estimulados pela valorização dos imóveis os bancos americanos não regulamentados concederam crédito excessivo, inclusive a tomadores sem credibilidade. A exuberância financeira terminou quando o  preço dos imóveis começou a cair e os mutuários ficaram inadimplentes o que arrastou bancos à falência. O crédito cessou abruptamente paralisando o comércio e a atividade econômica nos Estados Unidos e no mundo.

A escassez de crédito e a queda do comércio fizeram a crise atravessar o Atlântico, com força maior do que uma marolinha. A crise afetou a atividade econômica, o investimento, os fluxos capitais, as exportações, o emprego, os salários, a arrecadação tributária, a política econômica, enfim, a vida das pessoas.

A atividade econômica sofreu uma freada brusca. A economia mudou de patamar, embora venha dando sinais de alguma recuperação nos últimos meses.

O número de beneficiários de planos de saúde que crescia a 1,6% ao trimestre passou a crescer mais modestamente no último de 2008 e 0,3% no primeiro de 2009, o que também afeta o ritmo de crescimento das receitas das operadoras.

Crise é ameaça concreta de encolhimento de negócios, de perdas financeiras, de redução de horas trabalhadas, empregos e remuneração. Mas é também momento de oportunidades.

A crise traz ameaças para a saúde das pessoas - maior ansiedade e stress que reduzem a capacidade imunológica do organismo, reanimam doenças latentes e aumentam as chances de depressão, problemas mentais e cardíacos. Definitivamente, crise não é amiga da saúde.

Estudos empíricos que comprovem esses efeitos são escassos. Mas o British Medical Journal (maio/2009) reporta casos ilustrativos: aumento de suicídios na Coréia na crise do final dos anos 1990; aumento da mortalidade na Rússia, após o colapso da União Soviética e na crise de 1998; mortalidade de desempregados 20 a 25% acima do que a de ocupados com mesma posição sócio-econômica na década de 70 na Inglaterra. As perdas de remuneração deterioram o padrão da alimentação e impedem o acesso aos serviços de diagnóstico e terapia, às medicações prescritas, ao aconselhamento e às dietas saudáveis.

As crises trazem consigo aspectos conflitantes. Aumenta a necessidade por serviços de diagnóstico e terapia, mas contraem-se as remunerações, o que dilui ou anula a maior procura. Os maiores riscos aumentam as aspirações por possuir plano de saúde, mas escasseiam as condições econômicas para viabilizá-las. O crescimento das receitas das operadoras perde ímpeto enquanto as despesas que elas financiam tendem a aumentar.

Que resultado de pode se pode esperar desse jogo de contrários que se instala nas crises? Poderão as pessoas acomodar maiores despesas com saúde – diretas ou com manutenção de planos - reduzindo outras despesas?

As informações consolidadas demoram a ficar disponíveis. No entanto, operadoras comentam o expressivo aumento de despesas assistenciais, o que é compatível com o relato de aumento da procura por serviços hospitalares, especialmente nos grandes centros urbanos. No interior, prestadores relatam o oposto – a contração das rendas reduziu a demanda sobre de serviços assistenciais. É que a maior concentração de beneficiários está nas grandes aglomerações urbanas.

Nessas áreas, o plano de saúde garante assistência aos beneficiários mesmo quando perdem o emprego e ficam mais vulneráveis a doenças. Isso porque o desempregado pode manter o plano por pelo menos seis meses. Perdido o emprego ou diante da ameaça de perdê-lo, o beneficiário tende a utilizar o plano para exames de rotina ou antecipação de procedimentos seletivos. Esse ponto ilustra a importância que as operadoras têm para garantir a assistência médica de seus beneficiários.

O uso "preventivo" do plano é uma atitude individual racional. Porém, adotada de forma generalizada, aumenta as despesas das operadoras que se vêem forçadas a demandar reajustes das mensalidades. As empresas contratantes, pressionadas pela redução das rendas, resistem mais fortemente a essas solicitações.

Instala-se um cabo de guerra para acomodar receitas menores com despesas aumentadas. Entender os problemas de cada elo da cadeia é passo essencial nas negociações para que se preserve o equilíbrio econômico-financeiro de todos. O funcionamento eficiente da assistência médica depende da manutenção desse equilíbrio. Como bem observou Michael Porter, o deslocamento de custos entre os elos da cadeia não resolve problema algum, pois é jogo de soma zero.  O que ele propõe centra a competição na criação de valor para a pessoa, o que requer equilíbrio e mais cooperação entre os elos. Desequilíbrio em algum elo acarretará ineficiências e quem sofrerá as com conseqüências será o indivíduo.

 

Autor: José Cechin - Superintendente-executivo do Instituto de Estudos de Saúde Suplementar (IESS) e ex-Ministro de Estado da Previdência e Assistência Social.

Este conteúdo foi útil?