Sorry, you need to enable JavaScript to visit this website.

Outubro Rosa: Exames de mamografia apresentam queda de 10,6% entre 2016 e 2021

Outubro Rosa: Exames de mamografia apresentam queda de 10,6% entre 2016 e 2021

Outubro 2022
Salvar aos favoritos Compartilhar

Análise do IESS mostra que, após quedas consecutivas, procedimentos tiveram alta a partir do fim do isolamento social da pandemia  

Entre 2016 e 2021, o número de mamografias convencionais realizadas por beneficiárias de planos de saúde caiu 10,6% no País. No mesmo período, também houve redução (-8,7%) no mesmo tipo de exame direcionado ao grupo etário prioritário (de 50 a 59 anos), revela a Análise da Assistência à Saúde da Mulher na Saúde Suplementar Brasileira, desenvolvida pelo Instituto de Estudos de Saúde Suplementar (IESS).

De acordo com o estudo, o procedimento seguiu com tendência de queda durante os cinco anos analisados e acende um ponto de atenção, já que o câncer de mama é o tipo mais incidente em mulheres e a primeira causa de morte. Para se ter uma ideia, em 2016, foram realizados 5,12 milhões de exames, número que foi reduzido para 5,02 milhões no ano seguinte (-1,9%). De 2017 para 2018, houve nova queda (-0,4%), com total de 4,99 milhões de exames.

Entre 2018 e 2019 houve uma leve alta (1,8%), quando atingiu 5,08 milhões. Vale lembrar que a pandemia da Covid-19 teve influência direta na realização de mamografias. Assim, entre 2019 e 2020, houve redução considerável (-28,3%), já que as pessoas acabaram postergando exames e consultas, bem como casos médicos não emergenciais.

“Com o fim do isolamento social, as mulheres retornaram às clínicas e o volume de exames voltou a crescer – passou de 3,64 milhões para 4,57 milhões (alta de 25,4%). Mas é importante lembrar que o volume ainda segue abaixo do registrado em 2016”, observa o superintendente executivo do IESS, José Cechin, acrescentando que a mamografia ainda é o exame mais eficiente para detecção precoce do câncer de mama, recomendado para mulheres de 50 a 69 anos.

Faixa prioritária

A Análise da Assistência à Saúde da Mulher aponta que, em 2021, foram realizados 4,5 milhões de exames de mamografia na saúde suplementar, sendo 2,1 milhões na faixa etária prioritária (de 50 a 69 anos). Na comparação com 2016, houve queda de 200 mil mamografias (-8,7%). Entre 2020 e 2021, no entanto, período de pandemia, mas sem isolamento social, houve um aumento de 26,2%. Entre 2016 e 2021, a variação foi negativa (-8,7%).

Exames e internações 

As consultas com mastologista, profissional que, via de regra, solicita exame de mamografia, aumentaram no período analisado. Em 2021, foram realizadas 1,14 milhão de consultas (aumento de 4,9% em comparação com 2016). Verifica-se, também, que foram realizadas 36,4 mil internações relacionadas ao câncer de mama em 2016 e 37,1 mil em 2021 (aumento de 1,9%). Já o tratamento cirúrgico de câncer de mama feminino na saúde suplementar foi de 17,3 mil cirurgias em 2021, aumento de 8,4% quando comparado com 2016.

Clique aqui para acessar o estudo na integra.

Sobre o IESS

O Instituto de Estudos de Saúde Suplementar (IESS) é uma entidade sem fins lucrativos com o objetivo de promover e realizar estudos sobre saúde suplementar baseados em aspectos conceituais e técnicos que colaboram para a implementação de políticas e para a introdução de melhores práticas. O Instituto busca preparar o Brasil para enfrentar os desafios do financiamento à saúde, como também para aproveitar as imensas oportunidades e avanços no setor em benefício de todos que colaboram com a promoção da saúde e de todos os cidadãos. O IESS é uma referência nacional em estudos de saúde suplementar pela excelência técnica e independência, pela produção de estatísticas, propostas de políticas e a promoção de debates que levem à sustentabilidade da saúde suplementar.

Mais informações

LetraCerta Inteligência em Comunicação

Emerson Oliveira – [email protected]

(11) 98231-8002

Jander Ramon – [email protected]

(11) 3812-6956

 

Este conteúdo foi útil?