Sorry, you need to enable JavaScript to visit this website.

Análise mostra crescimento de beneficiários para a cobertura hospitalar e ambulatorial e na cobertura ambulatorial no período de 12 meses encerrado em março de 2018.

Contratantes têm optado por duas modalidades de assistência

Maio 2018
Salvar aos favoritos Compartilhar

Acabamos de publicar a Análise Especial - Saúde Suplementar em Números que traz dados de crescimento dos planos de saúde por segmentação assistencial no país. Segundo o estudo, o setor fechou março de 2018 com 47,4 milhões de beneficiários, o que representa um crescimento em doze meses de 0,3%, ou seja, 128.452 mil vínculos a mais.

A análise ainda traz a variação dividida por segmentações de grupo assistenciais. Dos 12 tipos existentes, o estudo levou em consideração dados de quatro grupos: cobertura ambulatorial; cobertura hospitalar e ambulatorial; cobertura hospitalar; e cobertura de referência. 

Duas apresentaram crescimento no período de 12 meses encerrado em março desse ano: cobertura hospitalar e ambulatorial, com aumento de 1,1% e de cobertura ambulatorial, com alta de 3,1%. Vale lembrar que essas duas segmentações acumulam o maior número de beneficiários, somando 90,6% do total de planos médico-hospitalares.

Como pode ser observado no estudo, a partir de setembro de 2017 houve diminuição do ritmo de queda do total de número de beneficiários em um período de doze meses. No mesmo período, pode-se observar uma tendência de que os novos contratantes de planos de saúde têm optado pelas modalidades de cobertura ambulatorial e cobertura hospitalar e ambulatorial. Sendo assim, há uma tendência de diminuição dos beneficiários das coberturas hospitalar e de referência.

Como exposto no estudo, é importante reforçar que a análise deve ser realizada com cautela, pois os dados de beneficiários divulgados pela ANS podem ser atualizados conforme consta na Nota Técnica do Sistema de Informações de Beneficiários. Isso acontece porque o sistema permite a correção de dados pelas operadoras de planos de saúde de meses anteriores, com inclusão ou cancelamento de beneficiários.

Conheça os resultados completos da Análise Especial - Saúde Suplementar em Números.

No período entre dezembro de 2016 e dezembro de 2017 houve aumento de 1,6 milhões de vínculos dos planos exclusivamente odontológicos.

O Brasil terminou 2017 com 23,2 milhões de beneficiários de planos exclusivamente odontológicos, o que representa um aumento de 7,2%.

Brasileiro tem se preocupado mais com o sorriso

Abril 2018
Salvar aos favoritos Compartilhar

Acabamos de publicar a nova edição do boletim Saúde Suplementar em Números que traz uma análise especial sobre os planos exclusivamente odontológicos no país, apresentando dados de contratação, por região e faixa etária desse segmento no ano de 2017.

O relatório aponta que, no período entre dezembro de 2016 e dezembro de 2017, houve aumento de 1,6 milhões de vínculos dos planos exclusivamente odontológicos, terminando o ano com 23,2 milhões de beneficiários, o que representa um aumento de 7,2%. Vale lembrar que no mesmo período, o setor de planos de saúde médico-hospitalares registrou queda de 0,6%.

O relatório ainda mostra um crescimento do número de beneficiários exclusivamente odontológicos em todas as regiões do país no mesmo período, com destaque para o Nordeste. A região apresentou a maior variação nos 12 meses analisados, com crescimento de 12,6%, ou seja, 516 mil novos vínculos. Essa performance foi seguida pela região Norte, com aumento de 9,1% ou 87 mil novos vínculos; Sudeste, que apresentou alta de 6,5%, ou 824,6 mil novos vínculos; Centro-Oeste, com incremento de 6,2%, ou seja, 83 mil novos vínculos e Sul, que teve alta de 5,4%, totalizando 123,8 mil novos vínculos. 

Continuaremos apresentando dados da nova edição do Saúde Suplementar em Números aqui nos próximos dias.

No período de 12 meses encerrado em setembro de 2017, o Estado do Amazonas foi o que o apresentou o maior crescimento proporcional de beneficiários nesse tipo de assistência, com avanço de 7,5%, seguido por Piauí e Acre, com 3,2% e 3,0%, respectivamente.

O total de beneficiários de planos de saúde médico-hospitalares com 59 anos ou mais cresceu 1,8% ao longo dos 12 meses encerrados em junho de 2017.

O total de beneficiários de planos de saúde médico-hospitalares com 59 anos ou mais cresceu 1,7% entre março de 2016 e março de 2017. O crescimento segue na contramão do mercado, que registrou queda de 2% no mesmo período. Confira esses e outros números do setor referentes ao primeiro trimestre de 2017.

O total de beneficiários de planos de saúde médico-hospitalares com 59 anos ou mais cresceu 1,6% em 2016. O crescimento segue na contramão do mercado, que registrou queda de 2,8% no ano passado. Confira esses e outros números do setor referentes ao quarto trimestre de 2016.

O total de beneficiários de planos de saúde médico-hospitalares recuou para todas as modalidades de operadoras, exceto para as de medicina de grupo, nos 12 meses encerrados em setembro de 2016. Confira esses e outros números do setor referentes ao terceiro trimestre de 2016.

Há 800 operadoras de planos de saúde médico-hospitalares com beneficiários atuando no Brasil. O que representa uma retração de 6,4% na comparação entre junho de 2016 e o mesmo mês do ano passado. Nos últimos cinco anos, de 2011 a 2016, deixaram de estar ativas e com beneficiários 237 operadoras desse tipo, uma queda de 22,9%.