Sorry, you need to enable JavaScript to visit this website.

O número de beneficiários de planos de saúde atinge a maior marca desde maio de 2016, ultrapassando 48,4 milhões de vínculos. No intervalo de 12 meses encerrados em julho de 2021, mais de 1,6 milhões de novos contratos foram firmados, valor que representa alta de 3,4%. Os planos odontológicos superaram o recorde histórico. São mais de 27,9 milhões de beneficiários.

Episódio 12 do IESSCast trata dos desafios dos planos odontológicos

Agosto 2021
Salvar aos favoritos Compartilhar

Com cada vez mais cobertura no território nacional, com 13% da população brasileira beneficiária, de acordo com a última edição da NAB, os planos odontológicos são o tema do episódio do IESSCast desta sexta-feira (27). Já disponível em todas as plataformas de áudio e também no Youtube, o programa trata dos desafios e das oportunidades de crescimento desse segmento da saúde suplementar. Para ajudar a entender o cenário, o superintendente executivo do IESS, José Cechin, recebe o CEO da OdontoPrev, Rodrigo Bacelar.

Na conversa, Bacelar explica como os tratamentos dentários via planos de saúde cresceram nos últimos 20 anos, tendo atingido, inclusive, recorde de beneficiários em 2021. Outros assuntos abordados são a crescente penetração nos pacotes de benefícios das empresas, a importância de se atentar à saúde sem esquecer dos cuidados bucais, a aceleração dos atendimentos virtuais por dentistas durante a pandemia e como indivíduos e empresas que concedem o benefício devem aproveitar o plano odontológico para gerir a própria saúde ou dos colaboradores.

Rodrigo Bacelar é autor de “Desafios e Oportunidade de Crescimento no Mercado de Planos Odontológicos”, capítulo que integra o livro “Saúde Suplementar: 20 anos de transformações e desafios em um setor de evolução contínua”. A publicação é organizada pelo IESS e assinada por 24 autores convidados. Para baixar gratuitamente, clique AQUI.

Os episódios estão disponíveis nas principais plataformas de streaming de áudio, como o Spotify, Deezer, Google Podcasts, Apple Podcasts e Castbox. O conteúdo também pode ser acessado, a qualquer momento, pelo canal do IESS no YouTube em formato de websérie. Os novos episódios vão ao ar sempre às terças e sextas-feiras.

Confira a nova edição da NAB

Agosto 2021
Salvar aos favoritos Compartilhar

Já está disponível a nova edição da Nota de Acompanhamento de Beneficiários (NAB), material produzido pelo IESS sobre a taxa de cobertura e a variação no número de beneficiários de planos médico-hospitalares e odontológicos no Brasil. O documento mostra que ambos os serviços seguem tendência de alta.

Entre os números publicados para os planos médico-hospitalares, destaque para o maior valor de beneficiários em cinco anos: 48,2 milhões. É o 12º mês consecutivo de salvo positivo, puxado, especialmente, pela faixa etária que compreende adultos de 19 a 59 anos. Os planos odontológicos conquistaram recorde histórico com o total de 27,8 milhões de beneficiários. Observa-se crescimento anual de 20% em planos individuais e de 14% na população com 59 anos ou mais.

A NAB desta edição ainda traz uma análise especial, com um recorte específico sobre os beneficiários do Estado de São Paulo para planos odontológicos. De acordo com a edição, já chegam a 10,2 milhões os contratos para este tipo de serviço, o que representa uma taxa de cobertura de 38% da população do Estado de São Paulo. Ou seja, quase dois em cada cinco paulistas já possuem este benefício.

Dos 10,2 milhões de contratos em junho de 2021, 8,3 milhões eram de beneficiários em planos coletivos empresariais, 1 milhão de planos individuais ou familiar e 923,8 mil de planos coletivos por adesão em São Paulo. O tipo de contratação coletivo empresarial foi o que mais cresceu desde 2000. Naquele ano, esse plano representava 17% do total de beneficiários; em junho 2021 o número saltou para 81%.

Acesse a íntegra da NAB e a análise especial AQUI.

O número de beneficiários de planos médico-hospitalares atingiu maior valor desde junho de 2016: 48,2 milhões de brasileiros. É o 12º mês consecutivo de saldo positivo. Os planos odontológicos superarm o recorde histórico. São mais de 27,8 milhões de beneficiários.

O número de trabalhadores brasileiros que passaram a ser assistidos por planos de saúde empresariais cresceu 4% nos últimos 12 meses. Em números absolutos, foram 1.274.519 novos beneficiários registrados em maio deste ano em comparação com o mesmo mês de 2020.

Planos de saúde empresariais registram crescimento de 1,27 mi de beneficiários em 12 meses

Julho 2021
Salvar aos favoritos Compartilhar

Informativo do IESS identifica que, no trimestre, alta foi de 502 mil vínculos nos planos empresariais. Mercado, como um todo, cresceu 2,9% em 12 meses, com 1,33 mi de novos beneficiários, totalizando 48,14 milhões de pessoas

 

Os sinais de retomada econômica, especialmente nos setores da indústria e de serviços, podem ser sentidos no mercado de planos de saúde. O informativo Nota de Acompanhamento de Beneficiários (NAB), produzido pelo Instituto de Estudos de Saúde Suplementar (IESS), constata que, em maio desse ano ante o mesmo mês do ano passado, 1,27 milhão de beneficiários ingressaram em planos de saúde médico-hospitalares empresariais – aqueles que são vinculados ao CNPJ das empresas e, na maioria das vezes, concedido aos funcionários –, crescimento de 4%. No trimestre, em maio ante fevereiro, a variação foi positiva em 1,6%, ou 502,6 mil novos vínculos.

O mercado de planos de saúde, como um todo, registrou crescimento de 2,9% em 12 meses, ou 1,33 milhão de novos beneficiários. Alguns fatores ajudam a entender o aumento no número de beneficiários, explica José Cechin, superintendente executivo do IESS.

“Parte desse crescimento está ligado ao acréscimo no número de novos empregos com carteira assinada. De acordo com dados do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged), o Brasil abriu mais de 280 mil vagas de trabalho formais em maio”, cita Cechin. “Em muitos setores, os contratos coletivos também preveem o benefício do plano de saúde.”

Levantamento realizado pela equipe de pesquisadores do IESS constatou que, em 12 meses, o saldo do Caged foi de 2,58 milhões de novos empregos no País. No período, a indústria respondeu por 635,96 mil vagas adicionais, enquanto o segmento de serviços representou acréscimo de 837,97 mil contratações.

Na comparação trimestral, maio ante fevereiro, o saldo do Caged foi de 574 mil empregos, sendo 104,5 mil novos postos na indústria e 259,75 mil em serviços.

Outro motivo que explica o salto dos planos empresariais se refere aos contratos com até 29 vidas. Nesse segmento, empreendedores e pequenos empresários podem contratar planos. Além desses, há que se registrar o elevado número de novas inscrições como Microempreendedores Individuais (MEI), que também podem contratar plano de saúde empresarial.

“Na pandemia, contar com a segurança de um plano de saúde ganhou maior relevância para as pessoas. E no processo de potencial recuperação da economia, a saúde suplementar sente os efeitos, como demonstra nosso informativo”, observa Cechin.

A íntegra da NAB está disponível em www.iess.org.br.

 

Sobre o IESS

O Instituto de Estudos de Saúde Suplementar (IESS) é uma entidade sem fins lucrativos com o objetivo de promover e realizar estudos sobre saúde suplementar baseados em aspectos conceituais e técnicos que colaboram para a implementação de políticas e para a introdução de melhores práticas. O Instituto busca preparar o Brasil para enfrentar os desafios do financiamento à saúde, como também para aproveitar as imensas oportunidades e avanços no setor em benefício de todos que colaboram com a promoção da saúde e de todos os cidadãos. O IESS é uma referência nacional em estudos de saúde suplementar pela excelência técnica e independência, pela produção de estatísticas, propostas de políticas e a promoção de debates que levem à sustentabilidade da saúde suplementar.

Beneficiários de planos médico-hospitalares crescem 2,9% em 12 meses de acordo com NAB

Julho 2021
Salvar aos favoritos Compartilhar

O IESS divulga agora a nova Nota de Acompanhamento de Beneficiário (NAB) com os destaques do setor. De acordo com o levantamento, os planos médico-hospitalares registraram aumento de 2,9% em 12 meses, ou 1,33 milhão de novos beneficiários. Os planos empresariais registraram variação anual de 4,0%, a maior quando comparado maio de 2021 com o mesmo mês do ano passado.

Outro ponto da publicação que merece atenção é o aumento de contratos de jovens e adultos, população compreendida entre 19 e 58 anos. 3,4% mais pessoas dessa faixa etária passaram a ser beneficiários.

Todas as regiões do Brasil tiveram crescimento em contratações no período de um ano, com destaque para o Norte (5%) e o Centro Oeste (3,5%). Em valores absolutos, o estado de São Paulo foi o que mais aumentou o número: 417.820 novas contratações.

Os serviços odontológicos também se mantiveram em alta. Nos últimos 12 meses, o aumento registrado foi de 9% nas contratações do serviço. Em números absolutos, são 2.285.227 vínculos a mais, o que representa 13% da taxa de cobertura do país.  No trimestre entre fevereiro e maio, o crescimento foi de 1,6%, ou 448.092 novos beneficiários.

Para acessar o conteúdo completo, clique AQUI.

O número de trabalhadores brasileiros que passaram a ser assistidos por planos de saúde empresariais cresceu 4% nos últimos 12 meses. Em números absolutos, foram 1.274.519 novos beneficiários registrados em maio deste ano em comparação com o mesmo mês de 2020

Mais sorrisos saudáveis entre os brasileiros

Junho 2021
Salvar aos favoritos Compartilhar

Você já deve ter ficado sabendo que o segmento de planos exclusivamente odontológicos superou a marca histórica de 27,7 milhões em 2021. A última edição da Nota de Acompanhamento de Beneficiários (NAB) traz números animadores conforme mostramos aqui . De acordo com o boletim, o setor cresceu 7,5% nos 12 meses encerrados em abril de 2021, com mais de 1,9 milhão de novos vínculos. Só entre janeiro e abril deste ano foram mais de 560 mil novos contratos.

Agora, acabamos de publicar a Análise Especial da NAB, que apresenta ainda mais dados sobre o segmento. Com o avanço no número de beneficiários, agora representa cerca de 13% da população brasileira.

Embora o crescimento do setor odontológico tenha sido superior ao de planos médico-hospitalares, esse último segmento possuía pouco menos do dobro do número registrado entre os odontológicos. Essa diferença de 20,5 milhões de beneficiários indica que ainda há bastante espaço para avanço desse segmento nos próximos anos.

Vale lembrar que entre os médico-hospitalares, a alta de 2,2% no intervalo de 12 meses encerrado em abril deste ano representou um avanço de mais de 1 milhão de novos vínculos. Com isso, o setor passou a contar com 48,1 milhões brasileiros. Veja mais aqui.

A publicação mostra que em abril de 2021 havia 20,0 milhões de beneficiários exclusivamente odontológicos na faixa etária de 19 a 58 anos, 5,4 milhões na faixa de 00 a 18 anos e 2,3 milhões na faixa de 59 anos ou mais. Destaca-se que desde 2000, todas as grandes faixas etárias crescimentos anuais consecutivos e houve forte alta do grupo dos 19 a 58 anos de idade.

No que diz respeito ao tipo de contratação, em abril de 2021, foram registrados 20,2 milhões de beneficiários em planos coletivos empresariais, 4,7 milhões em plano individual ou familiar e 2,8 milhões entre os coletivos por adesão. Desde 2000, início da série histórica, os coletivos empresariais foram os que mais cresceram. Essa modalidade representava 35,3% do total de beneficiários em dezembro de 2000 e saltou para 72,8% em abril de 2021.

Vale lembrar que o crescimento da contratação de planos coletivos empresariais continuou mesmo em momentos de crise da economia brasileira como nos períodos de 2008-2009, 2014-2016 e durante a pandemia de Covid-19 ao longo do último ano.

Como já mostramos aqui, esse tipo de plano também é ofertado para atração e retenção de talentos. Outro dado relevante é que, apesar da predominância do plano coletivo empresarial, os planos individuais/familiares tiveram crescimento contínuo no período.

Acesse aqui e veja o material na íntegra e os gráficos da Análise Especial.